Em 16/09/2020 às 10h46


Com trajetórias parecidas, Marcos Júnior e Catatau falam sobre bom momento

Por: Matheus Babo

São Januário, Rio de Janeiro

A vitória sobre o Botafogo, no último domingo (13/9), pelo Campeonato Brasileiro, teve dois destaques que se conhecem há bastante tempo. Ygor Catatau e Marcos Júnior se enfrentam desde que vestiam as camisas de dois tradicionais clubes do Rio de Janeiro: Madureira e Bangu. Com uma trajetória parecida no futebol, a dupla vem se entendendo bem dentro e fora de campo.

image
Dupla posou para foto após o treino desta quarta em São Januário (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

- Conheço o Marcos Júnior desde a base. Joguei muito contra ele no sub-20, depois juntos e sempre foi um parceirão meu dentro e fora do futebol. Cheguei aqui no Vasco, já tinha amizade com ele e com o Ricardo Graça. Fazer meu primeiro gol com a camisa do Vasco com um passe de um amigão, um irmão, não poderia ser diferente. Dei um abraço nele muito forte, comemoramos juntos, agradeci e desejei todo o sucesso na vida dele - disse Catatau, antes do parceiro que tem mais tempo de Vasco:

- Fiquei feliz por dois. Já o conheço desde a base, pois somos da mesma idade, jogávamos bastante contra e também através de amigos em comum. Fico feliz demais por ele. Só eu, o Catatau e o Marcelo Alves sabemos o quanto é difícil vir de um time pequeno e jogar numa grande equipe como o Vasco. E mais difícil ainda é se firmar. Torço não só para que eu, mas ele, o Marcelo e todos os outros jogadores consigam fazer bons jogos para ajudar o Vasco nesse ano.


Peça importante no Brasileirão do ano passado, Marcos Jr ainda não tinha conseguido repetir as boas atuações em 2020. Uma conversa com o técnico Ramon Menezes foi fundamental para o grande desempenho no clássico e a recuperação do bom futebol:

- Tivemos alguns desfalques e isso abre espaço para que outros jogadores tenham oportunidades. É o que o Ramon sempre fala. É se dedicar, trabalhar o dia a dia, todos vão jogar. É uma temporada com muitos jogos em um espaço curto de tempo. Tem que estar todo mundo preparado para quando acontecer esse tipo de coisa, lesões ou até mesmo Covid-19, quem entrar estar preparado para desempenhar um bom futebol. Resgatei esse bom momento nos treinamentos. Antes do jogo eu conversei com o Ramon, ele depositou muita confiança em mim, fiz o que ele me pediu, o que ele esperava de mim e consegui fazer um bom jogo, como vinha fazendo ano passado - disse meio-campo.

Se para Marcos Júnior a atuação significou o início de uma volta por cima, para Ygor Catatau o desempenho diante do Botafogo é apenas um dos seus primeiros passos para buscar o sucesso e a afirmação com a camisa do Vasco, que não escondeu a felicidade por balançar as redes:

- A sensação é indescritível. Como disse após o jogo, eu só lembrava do meu passado de sofrimento e vencer em cima disso é muito bom, gratificante. Agradeço a Deus pela oportunidade de realizar esse sonho. Assim que eu saí do estádio e tive um encontro com a minha esposa, ela que sabe da minha luta, é muito legal para ela também, que sempre me incentivou, mas para os meus pais também. Meu pai chegou a dormir. Ele chegou do trabalho cansado e só viu o primeiro tempo. Aí pegou no sono no segundo e acordou com muita gente ligando pra ele. Eu esperando a ligação do meu pai e nada. Ele ligou felizão, me desejou os parabéns e foi pra rua, já era mais de 1h (risos), pra festejar.

Comente essa notícia

Videos

Rolé no Rio - Leandro Castan

desenvolvido por: