Em 16/01/2020 às 11h13


Ricardo espera aprender muito com Abel e mantém sonho com Seleção Olímpica

Por: Matheus Babo

São Januário, Rio de Janeiro

No elenco profissional do Vasco desde 2017, o zagueiro Ricardo Graça chega na temporada 2020 sob o comando de um ex-defensor com muita história no Vasco, ao participar da zaga ao lado de Lelé, Orlando e Marco Antônio, que ficou conhecida como "Barreira do Inferno". O contato com o novo treinador ainda é inicial, mas para Ricardo, essa convivência será de muito aprendizado e a experiência passada por Abelão vai contribuir bastante para o seu crescimento.

image
Ricardo conversa com Abel durante treino no CT do Almirante (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

- O Abel é um ex-zagueiro. Tem uma carreira de sucesso como jogador e treinador. Jogou lá fora, Copa do Mundo, em grandes clubes do Brasil. É responsabilidade é grande. Ele vai cobrar bastante. A experiência e o aprendizado também são grandes. Por ter jogado ali, ele sabe os atalhos, então tem muitas dicas e conselhos. Com certeza ele vai trabalhar o time para nos facilitar. Espero dar o meu melhor. Estamos dando o máximo e pretendo jogar, ter uma sequência. Quem conhece o Abel sabe que os melhores jogam e quem acompanha sabe que isso acontece. Quem estiver bem, vai jogar e tenho certeza que vou aprender bastante com ele - disse o jovem zagueiro.

E 2020 é ano de Jogos Olímpicos. A Seleção Brasileira Sub-23 vem sendo muito testada pelo técnico André Jardine e Ricardo acompanha as convocações. Nascido em 1997, ano do tricampeonato brasileiro do Vasco, o jogador ainda nutre esperança em ser lembrado pelo treinador para defender as cores do Brasil em Tóquio. E sabe que para isso é fundamental ir bem com a camisa do Vasco nesta início de temporada: 

image
Jogador vem trabalhando forte na pré-temporada (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

- É meu último ano. Sou de 1997. Nunca fui convocado, mas tenho muita esperança. É a última que morre. Sei que é difícil, mas tenho que trabalhar bem e forte no Vasco para buscar essa oportunidade. Todo jogador sonha em vestir a camisa da Seleção Brasileira. É o auge, um sonho, mas enquanto não vem vou estar focado com a cabeça no Vasco. Quanto melhor eu for aqui, mais chances de ser lembrado eu terei. 

BATE-BOLA COM RICARDO

1. Muito se fala que não dá pra você atuar ao lado do Castan por conta dos dois serem canhotos. Você concorda?

Eu não acredito nisso, de jogar dois canhotos. Não lembro quem, mas ouvi uma vez de alguém que falou "dois canhotos podem jogar. Não podem jogar são dois ruins". Lógico que é uma dificuldade. Estar acostumado a jogar sempre do lado esquerdo, por não ter muito zagueiro canhoto, mas nada que treino, sequência e adaptação não mudem isso. Com calma se acerta o posicionamento. 

2. Você teve um início de 2018 difícil, mas fez uma grande temporada ano passado e conquistou a confiança da torcida. Como fazer pra manter essas boas atuações?

Na vida nada é fácil. Quando subi, joguei, depois fui para o banco e voltei a jogar depois de um tempo. É normal quem vem da base oscilar. Ano passado eu comecei a jogar quando o Castan se machucou e mantive um bom rendimento. A torcida começou a confiar em mim, fiz gols, um na Copa do Brasil e outro no Brasileiro e vinha jogando bem. Conquistei um pouco da confiança da torcida. Mas tenho consciência de que se eu não for bem, as críticas voltarão. Tenho que manter a cabeça firme e jogar, ter uma sequência. Quando mais jogar, melhor.





Comente essa notícia

Videos

Rolé no Rio - Leandro Castan

desenvolvido por: